O evangelho dos apóstolos x O Evangelho religioso

Os apóstolos não pregavam um evangelho ritualístico e cerimonial, tão pouco saiam anunciando algo  do tipo “minha religião é a certa” ou “você precisa chamar Deus pelo nome” ou ainda se dizendo representantes de Deus na terra. Eles pregavam que o Amor é a essência do Cristianismo (1 Cor 13:2-5) e ainda que se tenha o nome de Deus, lei de Deus, doutrina de Deus, sem amor não há Deus (1João 4:16)

Os apóstolos eram humildes, pregavam o amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, mansidão, domínio próprio, a justiça a caridade a misericórdia dia a dia.

Jesus acabou com o monopólio do deus reducionista institucional judaico estendendo a adoração pra fora da religião, para todos os povos, uma adoração em espírito, uma adoração que NÃO limitada a geografia, não atrelada mais a ritualismos, exterioridades, não mais limitada a locais sagrados, MAS aplicada a internalidade, ao mapa do coração a todos os povos.

Mostrou a desnecessidade de adorar a Deus num templo, numa instituição e horário especifico (Mt 6:6) (João 4:21-23) Mas mostrou que podemos adorar a Deus no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos

Nos trouxe liberdade para congregar em qualquer lugar, desvinculado de empresas, “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele (Mateus 18:20)

Nos trouxe O corpo de Cristo em que está assentado em um reino espiritual e para além de congregações físicas nos livrando de entidade política, física, denominacional e mundana (Jo 2:19)

Sobretudo Jesus tomou sobre si o nosso pecado, a nossa culpa! (Isaías 53:4 ) A divida que contraí com Deus por não conseguir obedecer-lo de maneira perfeita está paga (Col 2:14 ) Eu não me relaciono com Deus a partir de méritos e deméritos, mas a partir de Jesus. Não importa o quanto nos esforcemos, nós nunca, jamais seriamos bom o suficiente para Deus, jamais mereceríamos a graça e a misericórdia de Deus (2 Cor 3:5 )

A partir de Cristo, dependo da misericórdia de Deus para me abençoar, me amar e não preciso se perfeito, ninguém pode cobrar divida por minha imperfeição, porque na cruz meus pecados estão perdoados, e reconheço que não vivo de meus méritos, mas do amor e generosidade de Deus. Ninguém agora me obriga a ir a igreja [templo], a dar dinheiro para Deus, a participar de correntes.
A partir de Cristo, não se falaria mais em toda aquela estrutura religiosa construída na história dos hebreus. Não se falaria mais em Templo, em Sacerdote, em Sacrifícios, em ofertas, não se falaria mais em uma relação com Deus, baseada em rituais religiosos, nem em meritocracia, apenas se falaria, no nome de Jesus Cristo. (Rm 9:4) O fim da religião é Cristo para a justiça de todo aquele que nele crê.

2 comentários:

Postar um comentário