Zeitgeist: O Mito do Cristianismo

A GRANDE FARSA!
Zeitgeist: O Mito do Cristianismo
"É mais fácil acreditar numa mentira, se ela estiver rodeada de meias verdades"



ESSAS IDÉIAS NEO ATEISTAS NASCERAM DO MOVIMENTO ILUMINISTA. O Movimento Iluminista foi uma manifestação cultural de elite de intelectuais do século XVIII na Europa, que procurou mobilizar o poder da razão, a fim de reformar a sociedade e o conhecimento prévio. Promoveu o intercâmbio intelectual e foi contra a intolerância e os abusos da Igreja e do Estado. Originário do período compreendido entre os anos de 1650 e 1700, o Iluminismo foi despertado pelos filósofos Baruch Spinoza (1632-1677), John Locke (1632-1704), Pierre Bayle (1647-1706) e pelo matemático Isaac Newton (1643-1727). Príncipes reinantes, muitas vezes apoiaram e fomentaram figuras do Iluminismo e até mesmo tentaram aplicar as suas ideias de governo. 
            Vamos Ver o que o Dr Forbes Especialista na História da Religião diz sobre o Zeitgeist


 
O grupo Iluminista Zeitgeist , significa, em suma, o conjunto do clima intelectual e cultural do mundo, numa certa época, ou as características genéricas de um determinado período de tempo. O conceito de espírito de época remonta a Johann Gottfried Herder e outros românticos alemães, mas ficou melhor conhecido pela obra de Hegel, Filosofia da História. Em 1769, Herder escreveu uma crítica ao trabalho Genius seculi do filólogo Christian Adolph Klotz, introduzindo a palavra Zeitgeist como uma tradução de genius seculi (Latim: genius - "espírito guardião" e saeculi - "do século"). Os alemães românticos, tentados normalmente à redução filosófica do passado às essências, trataram de construir o "espírito da época" como um argumento histórico de sua defesa intelectual.

Ou seja: são Iluministas (Iluminats). São Poetas, filósofos, pensadores e historiadores amadores, mas nenhum arqueólogo ou historiador sério. Os Historiadores sérios não negam a existência do Jesus Histórico! 


Sempre é bom verificar as fontes de uma asserção em particular tanto se foi feita neste filme ou em algum outro lugar, e, portanto aqui está a lista de fontes usadas neste filme em particular como fornecida pelo autor de Zeitgeist: O Mito do Cristianismo.
[S1] - Singh, Madanjeet: 'The Sun- Symbol of Power and Life, UNESCO Pub., 1993
[S2] - Krupp, Edwin: In Search of Ancient Astronomies, Mcgraw-Hill, 1979
[S3] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, Chaper III: "The Symbolism of the Zodiac
[S4] - Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 53-56 [Chapter: "The Zodiac and Its Signs]
[S5] - Carpenter, Edward: Pagan & Christian Creeds, 1920. Page 36-53 [Chaper III: "The Symbolism of the Zodiac]
[S6] - Acharya S.: Suns of God, Adventures Unlimited Press, 2004. Page 60-85 [Chaper III: "The Sun God"]
[S7] - Hazelrigg, John.: The Sun Book, Health Research, 1971. Page 43
[S8] - Acharya S.: Suns of God, Adventures Unlimited Press, 2004. Page 86-95
[S9] - Olcott, William Tyler : Suns Lore of All Ages, The Book Tree, 1914. Page 157
[S10] - Mackenzie, Donald: Egyption Myth and Legend, 1907 Page 163
[S11] - Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, Page 48, 51
[S12] - Acharya S.: Suns of God, Adventures Unlimited Press, 2004. Page 92, 113
[S13] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 257-259
[S14] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Page 39-40
[S15] - Septehenses, Clerk De.: Religions. of the Ancient. Greeks, p. 214.
[S16] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 327-328
[S17] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Page 40
[S18] - Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 53-56 [Chapter 7: "Isis, the Virgin of the World"]
[S19] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Page 12-13
[S20] - Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p111-113
[S21] -Walker, Barbara: Women's Encyplodia of Myths and Secrets, p. 748-754
[S22] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 56-61
[S23] - Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 613-620
[S24] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 614
[S25] - Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 600-607
[S26] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 256, 273
[S27] - Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 623-661
[S28] - Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Page 626
[S29] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 74-75
[S30] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 115
[S31] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 43-47
[S32] - Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. Page 93
[S33] - Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, Page 135
[S34] - Bonswick, James: Egyption Belief and Modern Thought, p. 157
[S35] - Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Page 628-629
[S36] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 222- 223
[S37] - Bonswick, James: Egyption Belief and Modern Thought, p. 150-155, 178
[S38] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 107-108
[S39] - Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 403-409
[S40] - Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 67
[S41] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 190-191
[S42] - Berry, Gerald: Religions of the World, B&N, p.20
[S43] - Weigall, Arthur: The Paganism in our Christianity, Thames & Hudson, 1999 p115-116
[S44] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, p 12
[S45] - Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. Chapter 7
[S46] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 113-115
[S47] - Wilkes, Charles (translator): Bhagavat-Geeta, 1785 p 52
[S48] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 278-288
[S49] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 29, 33, 38, 48, 56
[S50] - Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 451-452, 543
[S51] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 111-113
[S52] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 193
[S53] - Weigall, Arthur: The Paganism in our Christianity, Thames & Hudson, 1999 p220-224
[S54] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p10
[S55] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 33, 42
[S56] - Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 415-420
[S57] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 223
[S58] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 118-120
[S59] - King James Version, The Holy Bible, Holman
[S60] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p16-17
[S61] - Charles F. Dupuis : Origine de Tous les Cultes, Paris, 1822
[S62] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 12-13
[S63] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 140-146
[S64] - Irvin & Rutajit: Astrotheology and Shamanism, The Book Tree, Pages 25-26
[S65] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p 17-18
[S66] - Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 391
[S67] - Moor, Edward, The Hindu Pantheon, Simpson, p154
[S68] - Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p43
[S69] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 33
[S70] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 27
[S71] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Pages 189-190
[S72] - Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. p199,220-221,352-353
[S73] - Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 415-417
[S74] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Pages 154-155
[S75] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 10, 98
[S76] - Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p41
[S77] - Roy, S.B: Prehistoric Lunar Astronomy, Institute of Chronology, New Delhi, 1976 p.114
[S78] - Bonswick, James: Egyption Belief and Modern Thought, p. 174
[S79] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 495-508
[S80] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 483-492
[S81] - Olcott, William Tyler : Suns Lore of All Ages, The Book Tree, 1914. chapter IX
[S82] - Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 183
[S83] - Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 496
[S84] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Pages 166-183
[S85] - Higgins, Godfrey: Anacalypsis, A&B Books. Pages 781-782
[S86] - Anderson, Karl: Astrology of the Old Testamate, Health Re. p18
[S87] - Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 185
[S88] - Campbell, Jospeh: Creative Mytholigy- The Masks of God, Penguin, p 24-25
[S89] - Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 363
[S90] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.218
[S91] - Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p41
[S92] - King James Version, The Holy Bible, Holman, John 9:5
[S93] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 28:6
[S94] - King James Version, The Holy Bible, Holman John 14:3
[S95] - King James Version, The Holy Bible, Holman, 2 Corinthians 4:6
[S96] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Romans 13:12
[S97] - King James Version, The Holy Bible, Holman, John 3:3
[S98] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Mark 13:26
[S99] - King James Version, The Holy Bible, Holman, John 3:13
[S100] - King James Version, The Holy Bible, Holman, John 19:5
[S101] - Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 53-54
[S102] - A.L. Berger; Obliquity & Precession for the last 5 million years; Astronomy & astrophysics (1976), p127
[S103] - Campion, Nicholas: The Great Year: Astrology, Millenarianism, and History in the Western Tradition, Penguin
[S104] - http://en.wikipedia.org/wiki/Precession_of_the_equinoxes
[S105] - http://en.wikipedia.org/wiki/Age_of_Aquarius
[S106] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 32-34
[S107] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 32:27
[S108] - http://en.wikipedia.org/wiki/Golden_calf#The_Sin_of_Idolatry
[S109] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.146
[S110] -Wagner, Leopold: Manners, Customs, and Observances; Jewish Fasts and Festivals 1894 # 403
[S111] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p16-17
[S112] - Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. p 127
[S113] - Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. P 55
[S114] - Dowling, Eva S. A, Ph.D: Scribe to the Messenger, p 6
[S115] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p 30
[S116] - King James Version, The Holy Bible, Holman, John 6:9-11
[S117] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 4:19
[S118] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.146
[S119] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.146-147
[S120] - Leedom, Tim.: The Book your Church Doesnt Want You to Read, Truth Seeker,. p.25
[S121] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 28:20
[S122] - Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p44
[S123] - Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 282, 366
[S124] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 1-10
[S125] - Massey, Gerald.: Lectures, A & B, p 7-8
[S126] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.265-274
[S127] - Wells, G.A.: Who was Jesus?, Open Court 1991 p179
[S128] - Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 109-118
[S129] - Budge. Sir. E.A. Wallis: The Gods of the Egyptions Vol I, Methuen and Co. p566-599
[S130] - Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 394-403
[S131] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 122,190,213,222,256,327,363,476,484
[S132] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.115-116
[S133] - Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 110-112
[S134] - Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 32-35
[S135] - Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Page 663-671
[S136] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.237-239
[S137] -Walker, Barbara: Women's Encyplodia of Myths and Secrets, p. 315
[S138] -Thompson, R. Campbell (tr. by ): The Epic of Gilgamish, 1928
[S139] - Budge. Sir. E.A. Wallis: The Babylonian Story of the Deluge and the Epic of Gilgamish, 1929
[S140] - Teeple, Howard M.: The Noah's Ark Nonsense, Religion and Ethics Institute, 1978
[S141] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 2:1-10
[S142] - Blavatsky, H. P.: The Secret Doctrine Vol 1, p 319-320
[S143] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.241-243
[S144] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 20:2-17
[S145] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 55-61
[S146] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.241
[S147] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 60
[S148] - Graham, Lloyd, Deceptions and Myths of the Bible, Citidel, 1991, p. 147
[S149] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 526-528
[S150] - Budge. Sir. E.A. Wallis: The Book of the Dead, Gramercy, Chapter CXXV
[S151] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 319-321
[S152] - Budge. Sir. E.A. Wallis: The Book of the Dead, Gramercy, p66
[S153] - Budge. Sir. E.A. Wallis: The Book of the Dead, Gramercy, Chapter CXXV
[S154] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p99-148
[S155] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p84, 197-198,200, 202, 213, 215
[S155] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p888-893
[S156] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 181-205
[S157] - Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p51-53
[S158] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p942, 951-952
[S159] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 85-87
[S160] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Book 4, p149-196
[S161] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics , p92 180, 192, 26-266
[S162] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.237-239
[S163] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World , Cosimo, p130, 228, 274, 584-585, 859, 870, 880
[S164] - Olcott, William Tyler : Suns Lore of All Ages, The Book Tree, 1914. chapter IX
[S165] - Bonwick, James: Egyptian Belief and Modern Thought, C. Kegan, 1878, p.237
[S166] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p888, 797 [* also see S163]
[S167] - Martyr, Justin: First Apology / The Apostolic Fathers: Martyr and Irenaeus by Philip Schaff. Eerdmans Pub.
[S168] - Martyr, Justin: I Apol., chs. xxi, xxii; ANF. i, 170; cf. Add. ad Grace. ch. lxix; Ib. 233.
[S169] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, Chapter 3 -"Diabolical Mimicry"
[S170] - Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 466-507
[S171] - Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 404-409
[S172] - Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, Chaper II & III
[S173] - Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p563-622
[S174] - Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. Chapters II, III, IV
[S175] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 30:22-24
[S176] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matt. 1:18-23
[S177] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 42:13
[S178] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matt. 10-1
[S179] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 37:28
[S180] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matt. 26:15
[S181] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 37:26-27
[S182] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 26:14-15
[S183] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 37:28
[S184] - King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 26:15
[S185] - Murdock, D.M. - Who was Jesus?, Steller House Publishing, Chapter "Extrabiblical Testimony"
[S186] - Remsburg, John E.: The Christ Myth, Nuvision Pub, p 17-30
[S187] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 133-139
[S188] - Doherty, Earl: The Jesus Puzzle, A&R,p78
[S189] - Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. p381-388
[S190] - Doherty, Earl: The Jesus Puzzle, A&R, Chapter 2
[S191] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, Chapter 7
[S192] - Murdock, D.M. - Who was Jesus?, Steller House Publishing, 2005
[S193] - Remsburg, John E.: The Christ Myth, Nuvision Pub, Chapter 1
[S194] - Allegro, John - The Dead Sea Scrolls and the Christian Myth, Prometheus Books, 190-203
[S195] - Massey, Gerald. : Lectures- Gnostic amd Historic Christianity,Cosimo Classics, p. 73-104
[S196] - Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p 89-110, 253-256
[S197] - Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.340-342
1. O que podemos notar sobre esta lista de fontes? Nem um único desses autores e dessas fontes é especialista na Bíblia, na história Bíblica, no Antigo Oriente Médio, em Egiptologia, ou em qualquer um dos campos cognatos. Muitas destas fontes são antigas, e os argumentos que elas apresentam foram demonstrados há muito tempo como fracos. A obra venerável de Frazer The Goldem Bough será talvez a fonte mais familiar de todas citadas, e alguns de vocês podem ter ouvido sobre o pobre John Allegro, que tentou argumentar que o movimento Cristão nasceu de um antigo culto de cogumelos. Sua obra foi ridicularizada em seu campo há muito tempo atrás, e isto é triste já que ele fez algum trabalho interessante sobre os Manuscritos do Mar Morto, que, a propósito, não comentam e nem têm relação com as origens do movimento de Jesus em si, exceto, de modo bem tangencial, se (enfatizando-se o "se") João Batista puder ter ligação com os essênios. 

2. Não há razão para associar a palavra filho (son) com a palavra sol (sun), e simplesmente misturar juntas todas as idéias sobre os dois na antiguidade. Mas este tipo de pensamento sincretista é a essência do filme, e isto leva a distorções massivas na história da religião. Em inglês a palavra sun significa sol, e a palavra son significa filho. Assim, o autor do filme tenta criar uma ligação por semelhança entre a expressão "filho de Deus" (son of God) e "sol de Deus" (sun of God).

3. A análise da mitologia egípcia no filme tem muitas poucas coisas certas, felizmente sobre Hórus e Seth, o deus sol e sua antítese. Infelizmente, ele traz a maior parte da história de Hórus errada. Afirma que o mito de Hórus conta que ele nasceu em 25 de Dezembro, nasceu de uma virgem, [acompanhado de uma] estrela no oriente, adorado por reis, e professor de 12. Ele afirma que esta era a forma original do mito em 3000 a.C. Seria bom descobrir como o Sr. Joseph aprendeu isso, já que não temos nenhum texto egípcio antigo sobre o assunto que possua tal antiguidade. Hórus não é o deus sol, ele é o deus dos céus e faz o sol nascer, sua mãe Isis não era virgem e não há nenhuma sugestão nas fontes egípcias que ela fosse Horus não nasceu em 25 de dezembro pois 25 de dezembro é uma data latina e não Egípcia ou seja não há concessão alguma! Tão pouco Jesus nasceu em 25 de dezembro, Pois ele era hebreu e essa data é latina! Horus não teve 12 discípulos, teve 4 discípulos (chamados de ‘Heru-Shemsu’) Horus não foi crucificado, ele foi morto, cortado em pequenos pedaços e seu corpo Espalhado pelo Egito para que nunca pudesse ser encontrado, Isis passa o resto da Vida para coletar seus pedaços a fim de ressuscitá-lo mas não há referência alguma que ela tenha conseguido! Qualquer egiptólogo sério conhece a história de Horus!! E nada tem a ver com Jesus! Krishna, Mitra, Dionísio e demais mitos, foram reformados nos sec I a V e revividos por: Gerald Massey poeta inglês e egiptólogo amador! Não um profissional, não um acadêmico não um historiador!!

4. Uma das coisas que o filme Zeitgeist não te conta é que os hebreus já tinham uma religião há muito tempo quando eles foram para o Egito tanto no tempo de José como no tempo de Moisés. E aqueles que são especialistas na antiga religião egípcia irão lhe dizer que as diferenças entre uma religião monoteística ou uma henoteística que foi fundada em ações e pessoas históricas, e a mitologia Egípcia que é fundada em ciclos da natureza, no nascer e no pôr do sol, no movimento das estrelas, etc. são consideráveis.

5. E quanto à declaração de que os doze discípulos representam as doze constelações do zodíaco? Bem, mais uma vez, o Sr. Joseph não se importou em fazer sua tarefa de casa. Houve esta pequena entidade chamada as doze tribos de Israel, retornando a Jacó e seus doze filhos. Estas histórias em Gênesis não são astrológicas em seus traços particulares de forma alguma, mas, ao invés disso, são explicações de origens históricas de pessoas. Os doze discípulos foram escolhidos por Jesus não porque ele era um observador das estrelas, mas porque ele estava tentando reformar, e de fato re-formar Israel. Os doze discípulos representam as doze tribos de Israel, e você irá lembrar que Jesus prometeu que nos últimos dias eles sentarão em doze tronos para julgar essas doze tribos

6. As origens do símbolo da cruz. Aqui novamente o Sr. Joseph pensa que ela deriva da cruz do zodíaco imposta no círculo dos doze símbolos astrológicos do zodíaco. Há vários problemas com esta teoria. Em primeiro lugar, considere o mais básico padrão zodíaco antigo que temos -- por exemplo, o chão da sinagoga em Séforis. Os judeus, como qualquer outro grupo de pessoas agrárias, estavam interessados no tempo e nas estações. Será que encontramos um modelo de cruz? Não. O Sr. Joseph não realizou trabalho em primeira mão sobre os símbolos do Zodíaco, ele apenas acreditou nas tolices em que se embebedou a partir de várias de suas fontes desatualizadas e inexatas. A origem do símbolo da cruz obviamente provém das práticas Romanas de crucificação, não de algum suposto modelo astrológico. Jesus morreu em 30 d.C. em uma cruz fora de Jerusalém, uma vítima da injustiça Romana como até mesmo os Romanos admitem.

7. E quanto à data da virada da era? Muito é feito pelo Sr. Joseph para [mostrar] como uma nova 'era' ou um ciclo astrológico começa em 1 d.C., após a era de Áries. Infelizmente para o Sr. Joseph, Jesus nasceu em alguma data entre 2 a 6 a.C. Ele não nasceu em 1 d.C. Como sabemos disto? Porque Jesus nasceu na época em que Herodes, o Grande, ainda era rei da Terra Santa, e os registros são claros em que Herodes morreu em cerca de 2 a.C., portanto Jesus tem que ter nascido antes disso (vide meus artigos sobre estes assuntos no Dicionário de Jesus e dos Evangelhos - Dictionary of Jesus and the Gospels). Como temos então o nosso calendário moderno? Bem, ele foi ajustado por um cavalheiro chamado Dionísio, o pequeno, ou, como eu gosto de chamá-lo, Denny, o anão, que tinha muito tempo em suas mãos, e estimou a virada da era como sendo na ocasião que agora conhecemos, baseado na época que ele pensou que Jesus nasceu. Ele errou por mais ou menos quatro anos. De qualquer forma, o nascimento de Jesus ocorreu antes da suposta virada de eras no esquema astrológico mostrado pelo Sr. Joseph. O nascimento de Jesus certamente não iniciou a era de peixes ou o peixe. O símbolo de peixe apareceu no Cristianismo a partir do valor gemátrico da palavra grega ICHTUS -- com cada letra formando uma palavra, neste caso Insous, Christos, Theos, Uios e Soter -- Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador. Seria bom se ele ao menos fizesse direito a parte de astrologia e simbologia -- mas abandone a esperança, ele não fez nem mesmo seu trabalho de casa sobre este assunto também.

8. Será que Moisés representa a nova era de Áries? Não. Era o bezerro de ouro uma tentativa de adorar Touro, a constelação? Provavelmente não. Será que os judeus tocavam um chifre de carneiro porque Moisés jogou suas tábuas em aversão à adoração do Touro e inaugurou a era de Áries? Tenho certeza de que Moisés ficaria surpreso em ouvir isso. E mais uma coisa. Nós realmente não temos fontes antigas sobre Mitra, comparáveis com as que temos sobre Moisés e os israelitas. A maior parte do que sabemos sobre o Mitraísmo vem da era do Novo Testamento ou mais tarde. Não há boa razão histórica para pensar que o mitraísmo seja a origem tanto do judaísmo como do Cristianismo. Eu poderia continuar, mas este texto está mais do que longo o suficiente. Há apenas uma conclusão possível sobre o filme Zeitgeist. O Sr. Joseph mesmo bebeu profundamente do zeitgeist pagão da nossa era, e infelizmente ele acreditou no que consumiu. Ele acreditou e agora propagou numerosas falsidades históricas, filosóficas e ideológicas. Eu vou lhe dar o benefício da dúvida de que ele não é apenas um zombador, mas alguém que está simplesmente bravo com a religião em geral. O fato é que, obviamente, muitas pessoas concordam com ele, e, portanto, a popularidade do seu vídeo.

Conclusão:
A história da teoria do "Jesus Cristo ser mais uma cópia de mitos antigos" é inconsistente, baseiam se em mitologia, sem evidências históricas palpáveis da existência desses "mitos" como o próprio nome diz mitologia.  JESUS porém tem 2400 manuscritos de base histórica, da mesma confiabilidade dos que atestam e provam que filósofos antigos como Platão e Aristóteles existiram!

No século II d.C, foram incorporados novos elementos a mitologia antiga,   possivelmente por influência do Cristianismo. 


Por falta de material, provas e evidências históricas os iluminatts se basearam nos Mitos, sem nenhuma fonte ou referência concreta da  Arqueologia histórica e historiadores sérios! Em outras palavras, é mais uma teologia  da conspiração inconsistente. 


Zeitgeist é um documentário feito por aqueles mesmos que vão instalar a Nova Ordem Mundial. Os  ILUMINATS.

O movimento Zeitgeist está condicionando pessoas no mundo para fazerem parte da nova sociedade global através de seus filmes, livros e palestras. Eles se dizem ateus, mas acreditam que o sol da verdade os guiará rumo a nova era (a era de aquário).

“E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;” (II Tessalonicenses 2:11)

NOTAS - DESMISTIFICANDO A CONFUSÃO:

Jesus de Fato Existiu, nenhum estudioso histórico sério contesta sua existência, todavia o nome do Messias, nunca foi Jesus, ele era Hebreu e esse nome é Grego Romano. O nome Jesus foi introduzido para a linguá portuguesa do Latin
Não precisa nem ser inteligente para notar que em cada região nosso Salvador tem um nome diferente!
 
· De fato, o nome "Jesus" nunca foi o nome original e sem aduterações,  do Messias Cristo, nota-se que em cada Pais o seu nome muda! As informações estão corretas, Esus era uma divindade MITOLÓGICA,  Sus é porco em Latin, CONFIRMADO. (USE tradutor), e ainda INFELIZMENTE E COM TRISTEZA INFORMO QUE Sus (סוּס) é cavalo no hebraico também CONFIRMADO.

A igreja católica assumiu que mudou os nomes a fim de torna-los mais populares entre os pagãos e converterem nos ao cristianismo. A Bíblia Católica de Jerusalém revela muitas dessas informações nos “rodapés”

A confusão é essa, o nome do Nosso Salvador foi Alterado, e os símbolos do cristianismo introduzidos por Roma foram símbolos pagãos a fim de ajudar a introduzir o Cristianismo, todavia o homem que morreu por nos no madeiro, O Messias Hebreu, nada tem a ver com essas imagens!




Todos Os Símbolos do Catolicismo Romano são em homenagem ao deus Pagão Sol! E nada tem a ver com nosso Verdadeiro Salvador, o marceneiro que morreu por nós, O Messias! E isso é cumprimento de profecias!

O mais próximo do Original Novo Testamento -  Codex Sinaiticus que está em Grego, Jesus é identificado pela sigla "ιχ" que é a abreviação de "ιησούς χριστός" (Iēsoùs Christòs).
                                             
Não temos nenhum Texto Hebreu ou Aramaico Para Confirmar o Verdadeiro Nome do Messias


A afirmação de que a forma Yeshua é o nome original de "Jesus" tem sido muito debatida atualmente – já se tem provas explícitas de que "Jesus", seus primeiros discípulos e a população que vivia na Terra de Israel naquele período, falavam aramaico hebraico. Porém o nome Yehoshua foi muito utilizado durante o período dos Hasmoneus e até um pouco depois. Ao referir-se a um certo "Jesus" (Cristo?), o Talmud o chama de "Yeshu", pois podemos ler no Talmude Babilônico a acusação dos judeus contra ele: "Na véspera da Páscoa eles penduraram Yeshu [...] ia ser apedrejado por prática de magia e por enganar Israel e fazê-lo se desviar [...] e eles o penduraram na véspera da Páscoa." (Talmude Babilônico, Sanhedrim 43a)

O nome "Yeshua" (aramaico) ou reduzido como Iesous (grego; onde não se pronuncia o "s" final) deriva-se de uma raiz hebraica formada por quatro letras – ישוע (Yod, Shin, Vav e Ayin) - que significa “salvar”, e é considerado também uma forma reduzida pós-exilio babilônico do nome de Josué em hebraico – יהושע, Yehoshua ou Yaohusua (hebraico arcaico) – que significa “o 'Eterno' (YHWH) salva”. Alguns usam o nome de Jesus no formato "mais arcaico” com um nome de Yahoshua (com variantes de Yauxua, Yahushua, Yaushua, Yaoshua e etc), esses pequenos grupos mais modernos são variantes de igrejas outrora pentecostais e neo pentecostais que receberam uma doutrina de que o tetragrama (YHWH) teria sido adicionado ao nome Yeshua (alguns grupos variam dizendo que seria a adição em Yahoshua conhecido no português como Josué).

·TODAVIA, Não podemos provar que o nome Yaohushua/Yashua/Yeshua apresentado como sendo do filho do Criador não seja também um nome Hebraico Pagão, visto que a herança original da língua Hebraico Arcaico, foi perdida no período pós Babilônico! Hoje existe apenas o Hebraico Moderno! "

Referências:



  • Ehrman 2012, pp. 12–13.
  •  Price 2011, pp. 17, 421.
  • Wells 2007, p. 446.
  • Van Voorst 2000, p. 6.
  • Price, Robert M. "Of Myth and Men"Free Inquiry magazine, Volume 20, Number 1, accessed August 2, 2010.
  • Stanton, Graham. The Gospels and Jesus. Oxford University Press, 2002, p. 145 (first published 1989).
    • Wells, G. A. "Jesus, Historicity of" Tom Flynn (ed.) The New Encyclopedia of Disbelief. Prometheus, 2007, p. 446.
    • For a summary of the mainstream position, see Eddy, Paul R. and Boyd, Gregory A. The Jesus Legend: A Case for the Historical Reliability of the Synoptic Jesus Tradition. Baker Academic, 2007, pp. 24–27.
    • Also see Dickson, March 21, 2008.
  • Dickson, John. "Facts and friction of Easter"The Sydney Morning Herald, March 21, 2008.
  • "The radical solution was to deny the possibility of reliable knowledge of Jesus, and out of this developed the Christ myth theory, according to which Jesus never existed as a historical figure and the Christ of the Gospels was a social creation of a messianic community." Farmer 1975, p. 43
  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Mito_de_Jesus
  •  Codex Sinaiticus
  • http://www.apologia.com.br 

  • O homem que no Brasil conhecemos por Jesus (original provavel Yaohushua/Yeshua), foi o mais próximo que vimos de um verdadeiro "Deus" palavras de um homem pobre, sem estudo, com sabedoria tão grande que os psicólogos depois de tanto estudo chegaram as mesmas técnicas que Jesus ensinava a 2000 anos atrás  - "Mark W. Baker - Jesus, O Maior Psicólogo que já Existiu", os administradores também apos muito estudo igualmente definem Jesus como o maior administrador que existiu "Daniel Godri Motivação e sucesso empresarial", tão bom administrador que a sua liderança "empresarial de 12 pessoas sem esperança, sem salário, sem nada material a oferecer" após 2000 anos está aí! Seja através de Romanos ostentadores ou crentes fanáticos, ou mesmo dentro do livro Bíblia, seja de pai para filho, pobres, sem nada material a oferecer chegaram aos dias de hoje, e se não foi pelo fato da força criadora do universo ter habitado esse homem e nos mostrado, o quanto somos mesquinhos e pequenos, com sua visão revolucionária, que jamais homens primitivos, como os daquela época poderiam sonhar em ter! Se não for o criador o responsável pelo fato de suas palavras terem chegado ate os dias de hoje, então tem se uma anomalia probatória: As probabilidádes matemáticas não tem como explicar isso! Pense, todos os deuses oferecem o melhor dessa terra, prosperidade,  que confirmam o seu ódio, que ungem a sua ira, abençoam a sua cobiça, e que transformam a sua raiva em maldiçoes legitimas, com Jesus foi diferente, ele ensinou desapego material, humildade, pobreza, ajudar os pobres e tudo quanto as pessoas detestam e não aceitam!

    Conclusão: O mito é inconsistente, não tem base histórica para se sustentar, foi atribuído no segundo século apos a morte de Cristo. Hórus. Mitra. Attis. Krishna. Dionysio são apenas mitos, Jesus é histórico.  Sim ele existiu! Todavia a Igreja Católica modificou sua imagem, seu nome(Da mesma forma que ela faz com os Papas que em cada pais tem um nome diferente), e práticas religiosas, a fim de populariza-lo entre os pagãos, mas não alteram seus ensinamentos! O Hebreu, Israelita, filho do altíssimo que conhecemos por Jesus, morreu por nós! O mundo se dividiu em antes e depois dele! Seu nome foi alterado e sua imagem incorporada ao paganismo, esta aí a confusão! Mas as profecias disseram isso lembra? Agora Quanto a continuar chamado-o de Jesu Cristo, Como diz Paulo: "Fiz me Grego para ganhar os Gregos" Continuo pronunciando o nome que todos conhecem: Jesus, para atingir sua mensagem a maioria absoluta dos povos, porque o mais importante é a sua VERDADEIRA mensagem, se for do interesse do Criador que todos saibam o nome Hebreu do Messias, certamente aparecerá as escrituras originais ou um Anjo para revelar o certo, na dúvida, fico com a mensagem e não com o nome!


    NA DÚVIDA? Chame o como o Salvador nos ensinou: chame o Criador de
    PAI
    e o Messias de Filho

    O PAI ESTÁ ACIMA DISSO! NÃO É UM DEUS TÃO PEQUENO! QUE SE DEFINE POR SONS EMITIDOS PELA BOCA DE SIMPLES TERRAQUIOS! O PAI É FÉ, O PAI É VIDA QUE DEVE SER VIVIDA DIA A DIA PELAS PALAVRAS DO MESSIAS!

    Abaixo alguns links para aprofundar mais acerca do assunto:

    3 comentários:

    Postar um comentário